Respingar de flor, de Maíra Brigitte

Atualizado: Ago 22


A artista fez a obra inspirada na foto de uma amiga que estava passando por um momento difícil. Na pintura o dente de leite da foto original é transformado em uma delicada flor de aquarela, cujo respingar modifica a atmosfera da imagem de forma a conectar a mulher com a flor.


Conheça a artista


Maira Brigitte é uma arquiteta que prefere explorar expressões humanas em suas obras, ao invés de prédios e construções. Com uma família repleta de arte, Maíra cresceu inspirada e traz sua técnica dialogando a pintura digital com a tradicional.


Maíra, quando foi o seu primeiro contato com a arte?


Quando criança eu lembro que eu tinha uma maleta de madeira com superfície lisa, e minha mãe guardava papéis que não usaria mais. Eu aproveitava para rabiscar e desenhar neles.


E a sua família te incentivava?


Bastante! Minha família por parte de pai sempre esteve muito ligada à arte. Sempre tive muito apoio e exigência do meu pai. A minha vó pintava quadros com tinta a óleo e minha mãe guardou vários desenhos meus de quando eu era pequena.

Qual a sua formação como artista?


Sou formada em arquitetura e urbanismo, a faculdade contribuiu bastante pro meu desenho. Nessa quarenta cheguei a fazer muitos cursos online, aquarela, personagens da Faber Castell e um de desenho à lápis de cor.

Pode nos contar um pouco sobre o momento de seu maior progresso como artista e como aconteceu esse processo?


Me interessei em desenhar pessoas no ensino fundamental, quando tentava esboçar “menininhas” de um modo mais realista, mas ainda não ficava do jeito que queria. Mais tarde, adentrei a faculdade de arquitetura seguindo o discurso de que “Se você gosta de desenhar esse é seu lugar”.

Foi durante a faculdade. A gente tinha aula de plástica, e eles indicaram um livro chamado “desenhando com o lado direito do cérebro”. Era um livro focado em desenho realista na parte de observação. Passei a desenhar bastante realismo com observação, evolui muito meu desenho na faculdade mas não gostava nada de desenhar prédios. Acho chato. Gosto mais de desenhar pessoas. Desenhava bastante a lápis, mas sentia que faltava alguma coisa. As primeiras pessoas que eu desenhei foram em grafite e aquarela. Recentemente eu comecei a pintar animais.


Fala um pouco sobre as suas técnicas e seu processo criativo.

Trabalho com aquarela, lápis de cor, grafite e digital. Gosto de usar as fotos das pessoas como referência. Quando eu vou pintar a minha paleta de aquarela é suja e eu nunca lavo. Então, essa mistura de tinta passa de pintura para pintura Não sei dizer exatamente a composição das cores que uso, pois misturadas não sei quanto de rosa ou vermelho que foi utilizado. O resultado sai muito legal. Minha técnica é bem livre e meus materiais são bem simples. Muitas vezes uso a própria água do potinho de limpar para fazer algum sombreamento.


O que prefere desenhar ou pintar?


Eu gosto de rostos, porque é dificil de se ilustrar. E o que mais gosto de pintar nos rostos são os olhos. Acho que é aquilo que passa emoção. Uma pintura complexa, na hora q vc termina, você vê emoção e vida presente. Gosto de fazer coisas que emocionam. Tenho um certo ego com minhas artes, então gosto de emocionar. Por isso pinto animais, pois penso que pessoas e animais emocionam. Faço bastante memoriais, tanto de bichinhos quanto de pessoas que faleceram e eles acabam sendo os mais especiais para mim, porque as pessoas ficam bem emocionadas e eu vejo que fiz um trabalho bem feito.


Você trabalha na área artística?


Eu acabo trabalhando vários tipos de arte, pq eu sou arquiteta e arquitetura é conectado a arte, principalmente o 3D que hoje em dia é considerado arte, mas quanto as minhas aquarelas eu vendo algumas, principalmente sob encomenda.


Para finalizar, nos fale um pouquinho sobre a arquitetura e a relação dela com a sua arte.


Arquitetura é considerada uma arte. Mas as pessoas confundem, elas acham que é unicamente arte, mas arquitetura mistura outras coisas, então temos conhecimento de técnicas construtivas, de cálculos estruturais, a parte de legislação, materiais. E mesmo a parte de urbanismo a gente precisa ter conhecimento de antropologia e psicologia, e mesmo na arquitetura tambem temos a parte de conforto térmico, luminoso e acustico. Então essa parte entra na área da matematica da aquitetura que não é só arte.




61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo