Camadas, de Marina Bossle


A obra foi criada enquanto Marina conversava sobre artes conceituais. Por ter uma história manual e tradicional marcante, antes de passar para as artes digitais, ela quis dar um toque de feito à mão para o quadro "Camadas". A busca pelo toque da arte tradicional no meio digital é uma característica de Marina Bossle.


Conheça a artista


Marina é natural de Porto Alegre e residente de Florianópolis. Formada em Game Design, atua como redatora e artista freelance. Treinada originalmente em arte tradicional, mantém a paixão pelas técnicas manuais, mas se aventura pelas telas digitais, principalmente através do semirrealismo, seu estilo favorito.



Marina, por que escolheu Game Design?


Era para eu ter feito Design Gráfico, mas assim que entrei no curso senti que não era pra mim. Mudei pro Game Design porque me dava a chance de atuar em duas áreas que eu gosto, que são a escrita e o desenho. E eu também sempre gostei muito de games, apesar de ser a pessoa menos "gamer" da minha turma. Eu curto pra caramba World of Warcraft. Tá no meu top três, junto com Subnáutica e Frostpunk. São jogos lindos


De onde vem a inspiração para os seus desenhos?


Dá pra dizer que a inspiração vem de todos os conteúdos que consumo. Como sempre fui muito ansiosa, não consigo ficar sem fazer alguma coisa. Então, estou sempre jogando ou lendo ou desenhando. Acaba estimulando bastante a imaginação. Acho que atualmente mais leio do que jogo... Mas alguns livros são sobre os jogos que eu gosto, então nunca fica cem por cento separada uma coisa da outra. Ontem mesmo estava lendo um dos livros de WoW.


Você citou o semirrealismo como seu favorito. Pode nos contar um pouco sobre esse estilo?


O semirrealismo aparece bastante em artes de jogos. Ele geralmente mistura técnicas de estilização, como o estilo mangá, com técnicas de pintura realista. É um jeito de desenhar "realisticamente" coisas que seriam impossíveis. O melhor exemplo é a Splash Art da Zoe, do League of Legends

Zoe, the Aspect of Twilight

As técnicas usadas aqui são pra fazer uma personagem com proporções de anime parecer realista. Acho que essa é a técnica que mais dá liberdade pra criar o que quiser sem perder aquele fator "wow". Não que outras formas de arte não impressionem, mas aí tem que ter muita paixão por um estilo específico. O semirrealismo é um dos estilos mais requisitados em jogos ultimamente, e é bastante técnico


Quais artistas mais te inspiram?


Miles Johnston, um professor de desenho na Suécia. Ele é um gênio em brincar com proporções. Ele e o Peter Mohrbacher, um pintor da escola tradicional que migrou para o digital. Ele fez o Angelarium. Além de outros artistas como Gaw Ki, Dibujante Noturno

e Iris Compiet.


Quais são os seus planos futuros, como artista?


No momento, o que eu mais quero é estudar e continuar produzindo arte, pra fazer um portfólio bacana. Continuar tentando a sorte na indústria de jogos até estar no nível dos artistas que eu admiro, também. Como meu maior objetivo sempre vai ser melhorar a qualidade técnica, o plano é estudar, estudar e estudar


Para encerramos, tem algo mais que queira falar?


Só um apelo pra artistas mais jovens ou que estejam iniciando. Não desanimem! A qualidade das artes no mercado é enorme, mas isso é pura prática. Qualquer um pode chegar lá.



Entrevista por: Felipe Henrique e Elisa Fonseca

Edição e revisão: Elisa Fonseca


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo