Filmes baseados em contos de Edgar Allan Poe



Essa semana celebramos 213 anos desde o nascimento do escritor americano Edgar Allan Poe. Famoso pelo poema “O Corvo” (1845) e por seus contos góticos, Poe foi um pioneiro em diversas questões no mercado literário: foi um dos primeiros escritores americanos a viver de escrita (apesar de viver em uma situação financeira precária), deu início à ficção investigativa (Sherlock Holmes e Hercule Poirot foram inspirados em Dupin, o detetive de contos de Poe), além de ter sido um prolífico crítico literário e ensaísta. Poe navegou por diversos gêneros, desde a ficção científica, contos com toques de humor ácido e até mesmo um romance de aventura. Porém, foi pela sua ficção sombria que ficou mais conhecido, tornara-se um ícone do horror quando o cineasta George Corman, junto ao lendário ator Vincent Price fizeram uma série de filmes sombrios baseados nas obras do autor.


Aqui no Brasil, na última década, tivemos cada vez mais produções inspiradas na eterna obra de Poe. Nas telas, tivemos em 2013 a série "Contos do Edgar", na Fox Brasil, produzida por Fernando Meirelles. No entanto, antes da chegada da série, Poe já influenciava a literatura nacional há um bom tempo. Desde Machado de Assis, cujo conto "A Causa Secreta", que trata do sadismo, pode ser analisado por um viés um tanto, digamos, Edgariano (tomando como princípio o do instinto da perversidade, conforme dissertado por Poe no conto "O Demônio da Perversidade" (The Imp of the Perverse), até Lygia Fagundes Telles, cujo conto "Venha ver o pôr-do-sol" constrói uma atmosfera sombria que reproduz a ideia de uma fria vingança, lembrando aquela articulada por Montresor em "O Barril de Amontillado" (The Cask of Amontillado).


Para comemorar a data de aniversário de Poe, confira algumas indicações de filmes inspirados na obra do autor.



“Edgar Allan Poe” (1909), de D. W. Griffiths


O primeiro filme sobre Poe é um curta-metragem de apenas seis minutos, em que vemos um poeta melancólico, ao redor do leito de sua esposa doente, um escritor imerso em dor, em busca de inspiração e de uma chance de publicar o seu trabalho. O curta está disponível por completo no YouTube.


“O Corvo” (2012), de James Mc Teigue


Com John Cusack na pele de Edgar Allan Poe, este filme apresenta um Poe quase detetive: crimes são cometidos inspirados nos escritos de Poe e o escritor acaba sendo convocado para ajudar a desvendá-los.


“Muralhas do Pavor” (1962), de Roger Corman


O filme é dividido em três histórias que são adaptações de diferentes contos do autor: Morella, O Gato Preto (misturado com O Barril de Amontillado) e O Estranho Caso de M. Valdemar. Vincent Price protagoniza as três histórias e narra o início de cada parte do filme.


“O Corvo” (1963), de Roger Corman


Neste filme, o corvo que visita o protagonista, Dr. Craven (personagem de Vincent Price), é na verdade um mágico (personagem de Peter Lorre) que foi transformado em corvo por um feiticeiro maligno chamado Scarabus (personagem de Boris Karloff) e precisa da ajuda de Dr. Craven para voltar à sua forma humana. O corvo também diz ao Dr. Craven que a esposa dele, Lenore, a qual ele acreditava estar morta, está com o feiticeiro Scarabus. Uma adaptação interessante do poema de Poe em forma de história de fantasia.


“Obssessão Macabra” (1962), de Roger Corman


Inspirado no conto de Poe “Premature Burial”, o filme apresenta um homem que teme ser enterrado vivo e chega a construir um mausoléu com um dispositivo que o permitiria sair do caixão. A sua esposa acaba enterrando-o em um cemitério comum, onde ele desperta e retorna em busca de vingança.


“A Orgia da Morte” (1964), de Roger Corman


Neste filme vemos Vincent Price como o Príncipe Próspero vivenciando os terrores de uma cidade tomada pela praga, quando um ser desconhecido adentra seu luxuoso castelo, onde ele e seus convidados faziam uma festa. O roteiro segue bem o tema do conto e o filme possui uma fotografia deslumbrante, com efeitos de cores que marcam o estilo único e surreal desta obra. A atmosfera de conto gótico continua presente, assim como em todos os filmes do ciclo Poe/Corman.


Post colaborativo feito com Amanda Leonardi

Edição de imagens por Filipo Brazilliano

Edição e revisão por Elisa Fonseca

16 visualizações0 comentário